CONHEÇA OS “CINCO PORQUÊS” E MELHORE DEFINITIVAMENTE SUA MANEIRA DE SOLUCIONAR PROBLEMAS

OGA3IY0

          Você já parou para pensar que resolver um problema vai muito além do que estamos habituados a fazer? Isso porque somos acostumados a solucioná-los de uma maneira momentânea, e não de propósito, mas sim porque achamos que o importante é resolvê-lo imediatamente, sem saber se será definitivo.  Seja uma máquina que estragou, um processo que está causando atraso, uma produção que está gerando inconformidades, uma determinada crise ou demais dificuldades. É comum, na correria e na pressão do dia a dia, encontrarmos a solução do problema sem analisar se realmente estamos colocando um ponto final.

721

        Na busca da melhoria contínua a filosofia Lean do Sistema Toyota de Produção baseia-se em aprender a transformar um problema de diversas causas e impactos em um problema de causa e efeito separadamente, identificando qual causa é responsável pelo grande efeito. Pensando nisso, os “cinco porquês” nada mais é do que um método para resolução de problemas buscando sua causa raiz. Um exemplo clássico e que simplifica muito bem o entendimento desta prática foi feito por Taiichi Ohno, considerado o pai do Sistema Toyota de Produção e autor do livro “O Sistema Toyota de Produção” de 1988:

1. Por que a máquina parou? Houve uma sobrecarga e o fusível queimou.
2. Por que houve uma sobrecarga? O rolamento não foi lubrificado como deveria.
3. Por que não foi devidamente lubrificado? Porque a bomba lubrificadora não estava bombeando o suficiente.
4. Por que a bomba não estava bombeando o suficiente? O eixo da bomba estava danificado e fazia barulho.
5. Por que o eixo estava danificado? Porque não havia proteção e cavacos acumulavam-se na bomba.

Podemos perceber claramente que, sem as perguntas sucessivas o problema estaria sendo resolvido momentaneamente porque a tendência seria solucionar apenas o questionamento da primeira pergunta. O resultado da solução do problema seria o problema acontecendo novamente. Portanto, este é o principal conceito ligado à prática dos cinco porquês: identificar a causa-raiz do problema para que não ocorra novamente e assim garantir o melhor aproveitamento da produtividade, da qualidade e da essência de eliminar desperdícios.

         Apesar de parecer um método simples, existe uma complexidade. É indispensável conhecer todo o processo do trabalho em questão para que a análise seja bem-sucedida, chegando a solução ideal e deixando de seguir caminhos completamente diferentes da causa raiz verdadeira. E isso seria perca de tempo!

E por que 5 porquês? Depois de usar o método muitas vezes, Ohno chegou à conclusão que 5 era o número médio de vezes em que era suficiente para se chegar a causa raiz do problema. Podem ser necessários, às vezes, 4 porquês e, em outros casos, mais deles, mas o ideal sempre é de chegar a 5.

Nós, da Isoflex, buscando sempre desenvolver soluções de gestão visual que ajudam as empresas a melhorar seus métodos de gerenciamento, produtividade e qualidade. Por isso, o quadro análise e solução de problemas utiliza a estratégia dos “cinco porquês” para facilitar o processo de análise e estabelecer a melhoria contínua como uma cultura organizacional. Nele, é possível analisar, identificar e solucionar o problema de uma maneira visual e gerencial.

quadro-melhoria-continua-e-qualidade-paut-0701-a

Quadro Análise e Solução de Problema da Isoflex

       Gostou do método e vai começar a usar? Lembre-se de priorizar o conhecimento para a análise do problema e praticar repetidamente. Como qualquer outra ferramenta Lean, os “cinco porquês” tem da prática o melhor ensinamento para a habilidade. Para melhor resultado e aproveitamento da prática pode ser utilizado outros métodos de solução de problema em conjunto, dependendo da complexidade. Para finalizar, utilize a prática dos “cinco porquês” no seu dia a dia para aprimorar seu trabalho e desenvolver meios de chegar a excelência.

Referências:
BALLÉ, Michael. Website Lean Institute Brasil.
OHNO, Taiichi. Livro “O Sistema Toyota de Produção”.